Skip to content

CASO DOS IRMÃOS NAVES, O MAIOR ERRO JUDICIÁRIO DO BRASIL… POR ENQUANTO

6 de abril de 2009

Um serial killer confessou mais de 40 emasculações e mortes de crianças e adolescentes no Maranhão e no Pará. No Maranhão, todos os outrora acusados já foram libertados. No Pará, entretanto, os acusados continuam condenados e estão, há dois anos, de volta à prisão: os médicos Césio Brandão e Anísio Ferreira, condenados por crime que faz parte da ação do serial killer, que já confessou e a Justiça do Pará não faz nada para mudar essa injustiça.

Conheça, pelo texto de um promotor de Justiça, o maior caso de erro judiciário do Brasil até o momento: o Caso dos Irmãos Naves. Mas não se iluda: para o ministro Marco Aurélio Mello, o maior erro judiciário do Brasil é a condenação dos dois médicos do Pará.

O MAIOR ERRO JUDICIÁRIO DO BRASIL ESTÁ POR SER DESBANCADO…

O Caso dos Irmãos Naves

narrado por Rogério Schietti Machado Cruz
Promotor de Justiça do MPDFT

Considerado o maior erro judiciário do Brasil. Aconteceu na cidade mineira de Araguari, em 1937. Os irmãos Naves (Sebastião, de 32 anos de idade, e Joaquim, contando 25), eram simplórios trabalhadores que compravam e vendiam cereais e outros bens de consumo.

Joaquim Naves era sócio de Benedito Caetano. Este comprara, com auxílio material de seu pai, grande quantidade de arroz, trazendo-o para Araguari, onde, preocupado com a crescente queda dos preços, vende o carregamento por expressiva quantia.

Na madrugada de 29 de novembro de 1937, Benedito desaparece de Araguari, levando consigo o dinheiro da venda do arroz. Os irmãos Naves, constatando o desaparecimento, e sabedores de que Benedito portava grande importância em dinheiro, comunicam o fato à Polícia, que imediatamente inicia as investigações.

O caso é adrede atribuído ao Delegado de Polícia Francisco Vieira dos Santos, personagem sinistro e marcado para ser o principal causador do mais vergonhoso e conhecido erro judiciário da história brasileira. Militar determinado e austero (Tenente), o Delegado inicia as investigações e não demora a formular a sua convicção de que os irmãos Naves seriam os responsáveis pela morte de Benedito.

A partir de então inicia-se uma trágica, prolongada e repugnante trajetória na vida de Sebastião e Joaquim Naves, e de seus familiares.

Submetidos a torturas as mais cruéis possíveis, alojados de modo abjeto e sórdido na cela da Delegacia, privados de alimentação e visitas, os irmãos Naves resistiram até o esgotamento de suas forças físicas e morais. Primeiro Joaquim, depois Sebastião.

A perversidade do Tenente Francisco não se limitou aos indiciados. Também as esposas e até mesmo a genitora deles foram covardemente torturadas, inclusive com ameaças de estupro, caso não concordassem em acusar os maridos e filhos.

A defesa dos irmãos Naves foi exercida com coragem e perseverança pelo advogado João Alamy Filho, que jamais desistiu de provar a inocência de seus clientes, ingressando com habeas corpus, recursos e as mais variadas petições, na busca de demonstrar às autoridades responsáveis pelo processo o terrível equívoco que estava sendo cometido.

Iniciado o processo, ainda sob as constantes e ignominiosas ameaças do Tenente Francisco, os irmãos Naves são pronunciados para serem levados ao Tribunal do Júri, sob a acusação de serem autores do latrocínio de Benedito Caetano, ao passo que a mãe dos irmãos, D. Ana Rosa Naves, é impronunciada.

Na sessão de julgamento, a verdade começa a surgir, com a retratação das confissões extorquidas na fase policial, e, principalmente, com o depoimento de outros presos que testemunharam as seguidas e infindáveis sevícias sofridas pelos acusados na Delegacia de Polícia.

Dos sete jurados, seis votam pela absolvição dos irmãos Naves.

A promotoria, inconformada, recorre ao Tribunal de Justiça, que anula o julgamento, por considerar nula a quesitação.

Realizado novo julgamento, confirma-se o placar anterior: 6 X 1. Tudo indica que os irmãos Naves seriam finalmente libertados da triste desdita iniciada meses antes. Ledo engano: o Tribunal de Justiça resolve alterar o veredito (o que era então possível, mercê da ausência de soberania do Júri no regime ditatorial da Constituição de 1937), condenando os irmãos Naves a cumprirem 25 anos e 6 meses de reclusão (depois reduzidos, na primeira revisão criminal, para 16 anos).

Após cumprirem 8 anos e 3 meses de pena, os irmãos Sebastião e Joaquim, ante comportamento prisional exemplar, obtêm livramento condicional, em agosto de 1946.

Joaquim Naves falece, como indigente, após longa e penosa doença, em 28 de agosto de 1948, em um asilo de Araguari. Antes dele, em maio do mesmo ano, morria em Belo Horizonte seu maior algoz, o tenente Francisco Vieira dos Santos.

De 1948 em diante, o sobrevivente Sebastião Naves inicia a busca pela prova de sua inocência. Era preciso encontrar o rastro de Benedito, o que vem a ocorrer, por sorte do destino, em julho de 1952, quando Benedito, após longo exílio em terras longínquas, retorna à casa dos pais em Nova Ponte, sendo reconhecido por um conhecido, primo de Sebastião Naves.

Avisado, Sebastião apressa-se em dirigir-se a Nova Ponte, acompanhado de policiais, vindo a encontrar o “morto” Benedito, que, assustado, jura não ter tido qualquer notícia do que ocorrera após a madrugada em que desapareceu de Araguari. Coincidentemente, dias após sua efêmera prisão e o citado juramento, toda a família de Benedito morre tragicamente, na queda do avião que os transportava a Araguari, onde prestariam esclarecimentos sobre o desaparecimento daquele.

O caso passou a ser nacionalmente conhecido. A imprensa o divulgou com o merecido destaque. A mesma população que, influenciada pela autoridade do delegado, inicialmente aceitava como certa a culpa dos irmãos Naves, revoltava-se com o ocorrido, tentando, inclusive, linchar o desaparecido Benedito.

Em nova revisão criminal, os irmãos Naves foram finalmente inocentados, em 1953.

Como etapa final e ainda custosa e demorada, iniciou-se processo de indenização civil pelo erro judiciário.

Em 1956 foi prolatada a sentença, que mereceu recursos pelo Estado, até que, em 1960, vinte e dois anos após o início dos suplícios, o Supremo Tribunal Federal conferiu a Sebastião Naves e aos herdeiros de Joaquim Naves o direito à indenização.

No livro “O CASO DOS IRMÃOS NAVES, UM ERRO JUDICIÁRIO” (Ed. Del Rey, 3ª ed., Belo Horizonte, 1993), o advogado dos irmãos Naves, João Alamy Filho, dá a sua interpretação das condições que tornaram possível esse tremendo erro: estávamos sob nova ditadura. Não havia garantias legais. Subvertia-se a ordem democrática, extinto o Legislativo, o Poder Executivo sobrepunha-se à lei e ao Judiciário. Saía-se de uma breve revolução. Forçava-se punição criminal comum como substrato da punição criminal política. A pessoa humana, o cidadão, era relegado a um plano inferior, secundário. Interessava-se apenas pelo Estado. A subversão da ordem influenciava a subversão do Direito, e a falta de soberania do Tribunal Popular. Naqueles tempos o Tribunal de Justiça podia reformar o veredito do Júri, o que não acontece mais hoje.

Segue, para ilustrar o sofrimento por que passaram os irmãos Naves, um trecho do livro de onde se extraíram as informações do texto supra, quando são descritas as torturas físicas e morais impingidas a Sebastião e Joaquim, pelo Delegado de Araguari, tenente Francisco Vieira dos Santos:

“Estamos a 12 de janeiro. Dia terrível para os irmãos Naves. O depoimento de Malta tinha sido tomado a 7. Nos cinco dias subseqüentes, o tenente era ferro em brasa. Diligências aqui, lá, acolá. Dia a dia, levava os presos pro mato. Longe. Onde ninguém visse. Nos ermos cerradões das chapadas de criar emas. Batia. Despia. Amarrava às árvores. Cabeça pra baixo, pés para cima. Braços abertos. Pernas abertas. Untados de mel. De melaço. Insetos. Formigas. Maribondos. Mosquitos. Abelhas. O sol tinia de quente. Árvore rala, sem sombra. Esperava. De noite cadeia. Amarrados. Amordaçados. Água? Só nos corpos nus. Frio. Dolorido. Pra danar. Pra doer. Pra dar mais sede. Pra desesperar. Noutro dia: vai, vem, retornam. O mesmo. Noutra noite: assim. Eles, nada. Duros. Nunca viu gente assim. Nunca teve de ser tão cruel. Tão mau. Tão violento. Nunca teve tanto trabalho para inventar suplícios. E, nada. Dia. Noite. Noites. Dias. Assim, assim. Um dia: 12, vão lá, à beira do rio Araguari, descem a serra. Eles vão juntos. Depois, separados. Escondidos, um do outro. Amarrados nas árvores. Como feras. Como touros no sangradoiro. Pensam que é o fim. Não agüentam mais. Inchados. Doloridos. Dormentes. Esperam. Morre? Não morre? O tenente estava satisfeito. Tinha um plano. Perdera a noite. Mas valia, valeu. Conta pros dois, antes de separá-los, de amarrá-los longe, invisível um ao outro. Vocês vão morrer agora. Vamos matá-los. Não tem mesmo remédio. Não contam. Não confessam. Morrem. Morrerão. Separa-os. É a vez do Bastião. Tiros perto dos ouvidos, por trás. Gritos. Encenação. Ele resiste. Largam-no. Voltam para o Joaquim: Matamos seu irmão. Agora é a sua vez. Vai morrer. Joaquim era mais fraco. Aniquilado. Descora mais ainda. Não tem mais sangue. Verde. Espera. Tem piedade! Não me mate, seu tenente. Não tem jeito. Você não conta: morre. Bastião já se foi. Você vai também. Irá com ele. Só se contar. Confessa, bandido! Confessa, bandido! Confessa! Não quer mesmo? Então, vamos acabar com essa droga. Podem atirar. Atenção: Preparar! Fogo! Tiros. Joaquim sente o sangue correr perna abaixo. Não sabe onde o ferimento. Pensa que vai morrer. O delegado: Andem com isso, acabem com ele. Por piedade, seu tenente! Não me mate! Eu faço o que o senhor quiser! Pode escrever. Assino tudo, não me mate! Não agüento mais. Joaquim perde os sentidos. É levado secretamente aonde possa ser curado do ferimento. Mantém-se ausente. Feito o curativo. Não pode contar a ninguém. Caiu; machucou-se. Só. Tem de repetir tudo na Delegacia. Direitinho. Cara boa. Se não fizer, não terá mesmo outro jeito. Você é que sabe, Joaquim. Só se quiser morrer. Joaquim não mais vê Sebastião. Acha que está morto. Apavorado, procura controle. Quando está em ordem, levam-no à delegacia. Vai depor. Segunda. Terceira vez. Desta vez é confissão. Perfeita. Minuciosa. Bem ensaiada. Decorada como discurso de menino em grupo escolar…” (p. 58).

About these ads
87 Comentários leave one →
  1. jorismar p. cruz permalink
    11 de setembro de 2009 22:11

    Esse delegado deve estar remexendo no túmulo até hoje.

    • 25 de fevereiro de 2011 13:25

      Somente hj eu resolvi comentar,pensando que as leis de hohe seriam diferentes…mada mudou ,o poder ainda e o poder,manda quem pode,e se naum obedecer morre!
      Deviria existir uma foto dos irmãos em casa sala de juri deste brazil!

      • Rositalia Pisani permalink
        28 de outubro de 2012 10:38

        Deveria mesmo , ter uma grande foto com os irmãos Naves em todas as salas de juri, como também do seus algozes. Isto foi e sempre será o nosso Brasil! O tal delegado deve estar queimando até hoje no fogo do inferno, bem feito……….

      • 28 de outubro de 2012 11:06

        O que mais me preocupa, Rositália, não é nem mais o fato histórico, porque ele é consolidado e, o que não tem solução, solucionado está. O que me preocupa é saber que o caso dos Irmãos Naves está sendo reeditado na Justiça do Pará, com os dois médicos condenados por crimes que têm um réu confesso, e isso é ainda pior do que o caso dos Naves. Deus nos valha.

  2. Édson José da Silva permalink
    24 de março de 2010 13:20

    Estou deverasmente esbabacado, injuriado com tamanha injustiça praticada pela polícia deste caso (que reina até hoje por aí) e aos que comandaram este julgamento. Conheço bem a cidade de Araguarí (MG), moro na região, e isso me deixou mais chocado ainda. Acabo de assistir ao filme, li este breve e suscinto relato, e fico imaginando: será que este delegado se arrependeu em algum momento, nem mesmo na hora de sua partida pro inferno?

    • 25 de fevereiro de 2011 13:26

      Porque o suposto morto nunca mais voltou?ele tb e culpado,omissão,e os parentes do tam benedito?sera mesmp que eles naum sabiam onde estava o tal benedito?

    • NANDO permalink
      24 de agosto de 2011 2:08

      você não ficaria surpreso com ocaso do goleiro bruno.
      também é semelhante ao dos naves!
      basta você fazer uma pequena análise .
      veja o depoimento dos supostos “comparsas” do bruno.
      isso será outro caso naves pode se prever com toda certeza!

      • silvania permalink
        13 de julho de 2012 9:55

        Esse caso nao tem nada haver com o do Bruno. Ele nunca foi inocente e fez coisas terriveis e tem um historico de vida perfeito para o crime.

      • 20 de setembro de 2012 10:53

        Silvania me poupe deste comentário absurdo se não tem conhecimento algum sobre constituição e direitos naturais.

  3. Ângela Feuerstein permalink
    24 de abril de 2010 19:59

    O respeito ao princípio da verdade real no direito penal é imprescindível para evitar que fatos como esse voltem a macular a justiça brasileira.

    • mesquita permalink
      25 de setembro de 2011 15:44

      Principio da verdade real não é no direito do trabalho não?

      • Adyla permalink
        20 de outubro de 2011 16:59

        aii que burrooooo. (mesquita)………
        NO processo penal é um principio fundamental, não é a mesma veradde que busca o civel que é a formal, mais sim a verdade dos fatos demonstrados por provas fortes o suficiêntes para sustentar uma condenação ou absolvição!!!

  4. Kamyla Naves permalink
    17 de maio de 2010 14:50

    fiquei sabendo a pouco tempo,que eles são os meus parentes ,essa historia me deixo triste ao saber que meus familiares sofreram tanto.

    • DENISE permalink
      12 de março de 2011 22:53

      Kamila,tambem estou aterrorizada em saber de tanta maldade e injustiça,e muito decepicionante saber que ainda ocorrem tais absurdos na nossa sociedade,que aqueles q deveriam nos proteger,cometem os piores erros judiciarios.precisamos mudar,fazer o processo penal acontecer realmente.

      • NANDO permalink
        24 de agosto de 2011 2:14

        concordo com vc garota!
        porém,nós temos o poder de mudar estaS leis e medidas mal adotadas.
        EU,VC E TODOS. DE HOJE EM DIANTE PODEMOS MUDAR ESTE MUNDOO NOJENTO NO QUAL VIVEMOS.
        VAMOS ESTUDAR E PROVAR ,NÃO PRO MUNDO E SIM PRA NÓS MESMOS QUE NÓS SOMOS CAPAZES!

        UM ABRAÇO PRA VOCÊ!

        SE CUIDA E PENSE SEMPRE ASSIM. QUEM SABE UM DIA NÓS CHEGAREMOS LÁ!

    • brunomaciel permalink
      28 de setembro de 2012 10:41

      Kamila , fiquei realmente chocado com a historia de seus familiares , muito triste mesmo

    • jaques teodoro naves permalink
      11 de abril de 2013 20:36

      fico muito triste por os meu tio avo sofre tanto mais ate hj a nossa familia luta por justisça mais e nao calamos porque só nois fabemos ok passamos ate hj
      jaques teodoro naves

  5. Eunice Terra permalink
    9 de junho de 2010 15:01

    Quando meinina fomos vizinhos de dona Ana, era conhecida como a mnãe dos irmãos Naces.E sua historia sempre mexeu muito comigo. Tinha muita pena dela. Fui ao seu velorio.

  6. pedro permalink
    15 de junho de 2010 23:37

    acompnhei por istoria achei um absurdo essa história cruel e assustadora , ainda no nosso País existem caso parecido, sò deus pode vingar vergonha de nossa justiça brasileira.

    • NANDO permalink
      24 de agosto de 2011 2:20

      DISCORDO DE VOCÊ ,PEDRO! ACHO QUE VC SÓ PASSOU A PENSAR DIFERNTE DEPOIS QUE VC VIU A VERDADE!

      TENHO CERTEZA QUE À ÉPOCA DO FATO VC PENSAVA COMO TODOS OS QUE ACOMPANHAVAM O CASO.
      SE VC ME DISSER QUE NÃO!
      ENTÃO ME DIGA O QUE VC ACHA DO CASO BRUNO(GOLEIRO DO MENGO)?
      INOPCENTE? OU CULPADO?

      ESTE É O MEU EMAIL: NANDO_CAMPUS@HOTMAIL.COM

      POR FAVOR RESPONDA!

      • jaques teodoro naves permalink
        11 de abril de 2013 20:41

        nao queira comparar os fatos pois o bruno e um mostro o os meu tio nao tinha feito nada pois si foce hj eles nao tinha sofrido tanto pois hj tem muito recurso para saber si vc e cupado ou inocente na epoca nao tinha este recurso e outra coisa eles foi cupados sem dever nada e o bruno hum!!!!!!!!!!!!

  7. Marcos Antonio Calixto permalink
    10 de julho de 2010 7:25

    Sem querer traçar nunhum paralelo, visto que hoje os tempos são outros, tampouco entrar no mérito se são culpados ou inocentes, visto que essa convicção deverá surgir do trabalho de autoridades competentes. Entretanto, apenas para lembrar os perigos das conclusões preciptadas, espero sinceramente que Minas Gerais não cometa o mesmo erro no recente caso “Bruno X Elisia” rogo a Deus que se possa encontrar os restos mortais da vítima, e assim não se julgue por materialidade indireta, como no caso dos irmãos Naves, que também julgaram sem corpo de delito e deu no que deu.

  8. Manoelito de Aquino permalink
    10 de julho de 2010 22:38

    Bem lembrado o caso Bruno, entretanto com os recursos técnicos de hoje, a polícia pode perfeitamente com base na materialidade indireta, concluir com mais segurança quem são os oculpados do crime, ao passo que em 1937 na barbárie do julgamento dos irmãos Naves, o que houve foi uma intuição bestial e descabida do Tenente Francisco Vieira que resultou na condenação sumária dos incentes.

    • NANDO permalink
      24 de agosto de 2011 2:25

      MANOLITO, O QUE HOUVE FOI CONFISSÃO FORÇADA! PARA DE FALAR O QUE VC NÂO SABE ! NÃO FOI OS INDÍCIOS NÃO!

      DAMMM!

      NANDO_CAMPUS@HOTMAIL.COM

      ME DESCULP1 VC PODE SER RECIPROCO SE QUISER! AGUARDO ANCIOSO PELO SEU RETORNO!

    • marques permalink
      25 de abril de 2012 17:35

      “intuição bestial e descabida do Tenente Francisco Vieira”
      caro, no caso dos irmaos naves a intuição foi da sociedade que pressionoou o tenente. e isso ainda acontece nos dias de hoje, pois se acontece algo e as autoridades apontam um suspeito, a sociedade caem como urubus em cima.

      • 20 de setembro de 2012 11:06

        Com certeza marques.
        Tamanha loucura foi também o caso Lindenberg e do casal Nardoni.
        Tudo oque a mídia acompanha e a sociedade pode influenciar fica altamente perigoso. Cessam os direitos dos acusados.
        Bruno não deveria ter sido preso, pois faltavam peças primordiais para isso. A mídia e a sociedade atacaram e vejam só, Bruno, Lindenberg e o casal Nardoni foram para a cadeia.

      • 20 de setembro de 2012 11:11

        Vejam bem, não estou inocentando estes infelizes.
        Mas nós como futuros advogados, já sabemos que as coisas não são bem por aí, como estão deixando que seja.

  9. Mara permalink
    17 de julho de 2010 11:18

    Sou uma simples mulher e, fico com muitas dúvidas quando penso no “caso Bruno”. Não sou conhecedora de leis. Acredito que a lógica, a razão e o bom senso é que têm que nos dirigir. Pelo que vejo nos jornais estão conseguindo provar que o sangue no carro do Bruno é da “moça” e não que ele é que fez tal sangue estar ali, que haviam fraldas e peças de roupas de “elisa” no sítio dele, o que seria normal tendo em vista que até agora ele não disse que ela nunca havia estado por lá, no que tange ao hotel em que várias pessoas se intalaram e que foi pago com o cartão dele, ninguém confirmou que ele estava junto e que havia um bebe, somente fraldas usadas. Ninguém falou assim: “haviam tantas pessoas e um bebe”. Saliento que digo isto baseando-me no que os jornais dizem. As funcionárias do hotel dizem ainda que após a saida daquelas pessoas, procuraram por sangue, não dá pra entender porque elas fariam esta procura. E o “noinha” que dá o depoimento contando uma versão, depois outra, depois outra e depois diz que está sofrendo de abstinencia, o que deve provocar delírios, e que não teria condições de falar mais. O que ele esta fazendo é não falar coisa com coisa. Desde quando o “noinha” está sem consumir cocaina? Quanto tempo faz que ele está apreendido? Os sintomas da abstinencia só deram agora? Não estou dizendo que o “Bruno” seja inocente e não tenha nada haver com o caso mas que, pelo que vejo, faltam provas e a aclamação é para que o “Bruno” seja condenado, ou melhor ele já foi condenado!

    • benivaldo dos santos permalink
      15 de março de 2012 20:37

      e agaora minha filha que eles se entregaram o que voce me diz

      • Enio permalink
        20 de novembro de 2012 9:06

        cade deus

    • Larissa permalink
      19 de junho de 2012 13:50

      Otima colocação Mara!
      Eu na condição de estudante de Direito concordo com vc, e torço para que as autoridades competentes solucionam o caso (achem o corpo), caso contário…. Será uma vergonha pro judiciário brasileiro, outra vergonha igual essa dos irmãos Naves.

  10. 19 de julho de 2010 12:38

    Prezado Marcos Antônio Calixto, o que é lógico não pode mudar de rumo. Todas as noites tenho pensado igual a Você. Já comentei com algumas pessoas, que chegaram a me chamar de protetor de bandidos. Não espero que encontrem os ossos da eliza, espero sim, que a eliza apareça viva. Daí, meu irmão, o erro já está consumado. Minas Gerais será novamente o palco do maior erro judiciário do Brasil pela segunda vez. No caso Eliza os “culpados” estão sendo julgados pela mais cruel “justiça”, a mídia. Levados a juri, sem chance, a sociedade vai dar a pena máxima para todos. Fico inseguro ao saber que isso pode acontecer com qualquer um de nós. Se o final desse caso for diferente disso, tudo bem, mas o começo está temerário. Peço a Deus que ilumine e guarde os acusados e as autoridaes para que tuda corra de forma justa e perfeita.

    Vacir

  11. Marcio permalink
    24 de julho de 2010 22:44

    O caso dos IRMAÕS NAVES é só um dos milhares que ocorre em nosso Brasil, principalmente com pretos e pobres infélizmente a nóssa justiça foi feita para protejer a burguêsia e injustiçar a periféria.
    vamos acabar com essa falta de respeito já, pois a própria LEI diz que todos sámos iguais perante ela.

  12. MARILZA GUIMARAES DINIZ permalink
    2 de agosto de 2010 21:28

    É ISTO AÍ MINHA GENTE!
    O CASO BRUNO ( JÁ ASSIM TITULADO PELA MÍDIA HISTÉRICA) E COMO ABUTRES, À FIM DE QUE ROLE CABEÇAS PRÁ QUE ELA POSSA TER MAIS AUDIÊNCIA (SENDO A “PODEROSA” GLOBO A MAIS CÍNICA) E A GLOBO MINAS C/ UM PRAZER IMENSO EM MOSTRAR EM PRIMEIRÍSSIMA MÃO, ESTE PROCESSO TÃO CONFUSO. TAMBÉM NADA ENTENDO DE LEIS, MAS SEI MUITO BEM QUE ISTO ESTÁ SENDO CONDUZIDO DE FORMA IMORAL.FICO PASMA COM ESTE DELEGADO QUE SÓ QUER VIRAR “A ESTRELA DO MOMENTO”, UM ASNO, LITERALMENTE FALANDO, NEM QUE PRÁ ISTO PASSE POR CIMA DA IMENSA SERENIDADE E SERIEDADE QUE PRECISA TER, SE EXPRESSA MAL, UM TIRANO SEM O MENOR CUIDADO C/ AS PALAVRAS, UM SR. “CAVALO” DE VERDADE! “GUERRA DE EGOS”, RIDÍCULO! TB NÃO TÔ FAZENDO PAPEL DE “ADVOGADO DO DIABO” (MAS JURO QUE TÔ TORCENDO PRÓ BRUNO SAIR DESTA), SÓ PRÁ VER ESTE DELEGADO “SAIR DO SALTO” E ENTENDER QUE JULGAR E CONDENAR E AINDA USAR COMO PARCEIRA ESTA MÍDIA HORROROSA QUE TEMOS, NÃO PODE DAR CERTO. É CLARO Q SE FOR A JURI POPULAR, JÁ TÁ CONDENADO, MESMO A POSSIBILIDADE DA INOCÊNCIA SERÁ ENTERRADA PELO POVO. ALÍAS, A VIDA DESTE CARA E DE SUA FAMÍLIA JÁ FOI JULGADA E CONDENADA…
    SÓ QUERO VIVER NUM TEMPO ONDE A JUSTIÇA SOBREVIVA, ONDE NÃO É UM DELEGADO RIDÍCULO E UMA IMPRENSSA RADICALMENTE SUSPEITA QUE IRÃO DITAR AS REGRAS DA DIGNIDADE. É BOM LEMBRAR SEMPRE QUE SE A MÍDIA RECEBER QUALQUER ADVERTÊNCIA SOBRE CONCLUSÕES OU COMENTÁRIOS LEVIANOS, ESTA IRÁ RAPIDINHO (TODAS BEM JUNTINHAS, SEM A MENOR CONCORRÊNCIA) SE COLOCAR COMO VÍTIMA DE CENSURA DE LIBERDADE DE EXPRESSÃO. IMPRENSSA QUE SÓ DESEDUCA, FORA JÁ!!!
    AGORA ME SINTO MAIS LEVE…VALEU!
    Marilza

  13. léia aparecida permalink
    3 de agosto de 2010 16:00

    boa tarde, deixo minha mensagem…é por isso que antes de ficarmos fazendo pre julgamento, devemos nos colocar no lugar das pessoas, olha ai o que a prepotencia, a vaidade e o pre julgamento fizeram na vida de toda uma família…mas ainda bem que a justiça de Deus não é falha…embora todo mundo saiba que não teve ficar pre julgando olha ai o que esta acontecendo hoje com o caso do goleiro Bruno, aqui ninguém ta falando que ele é santo…mas já pre julgar é outros quinhent os, temos que aprender a ter certeza dos fatos pra depois expor nossas opiniões….sem mais obrigada

  14. Ailton Carlos de Campos permalink
    9 de agosto de 2010 12:55

    Marilza, valeu seu comentário. Neste pais, onde delegado de polícia é otoridade, onde alia-se com as emissoras de televisão, somente para aparecer na telinha, acabam induzindo a estes, possiveis erros judiciários. Quero crer que a polícia mineira, com este delegado fanfarrão, consiga fazer a verdadeira prova sobre o caso Bruno, pois até o momento, no meu humilde entendimento, tenho que o “menor” foi ouvido em “depoimento daquele jeito”. Digo isto, pois já fui policial civil e ali vi muitas coisas as quais, hoje posso confirmar, pois sou hoje advogado criminalista é lógico um advogado que não tem nome, mas luto pela inocência daqueles injustiçados. Não sou hipocrita em acreditar que quando vejo que um processo tende à condenação do acusado, acreditar que este seja absolvido. Sou apenas contra, delegados “caso Bruno”, “caso Misael”, “caso Nardoni”, venham à televisão para se autopromover. Conhecemos muito bem o DOUTOR ANTONIO DE OLIM, delegado que foi no DAS, deixando de comentar alguns casos, onde sequestrador, dentro da delegacia por ele comandada, depois de acusado de sequestro é encontrado morto, com uma cordinha de nylon “de varal”, e à família foi informada de que ele teria se suicidado. ESTRANHO. Mas deixa pra lá, hoje o DOUTOR é a otoridade mais vista no pais e quixá no mundo, aliás até com maquiagem, pois em nenhum momento ve-se brilho em sua pele. A OTORIDADE de Minas, cujo nome agora me foge à memoria, não é diferente, busca sempre aparecer, tomará que ele esteja com a verdade, senão poderá novamente virar notícia de jornais, tvs., e rádios. Fica aqui meu repúdio a tais fatos, os quais a autoridade judiciária de imediato deveria decretar o SEGREDO DE JUSTIÇA, para que pudesse existir uma verdadeira investigação e não os holofotes da mídia, interferindo nas provas. Bpom dia a todos.

  15. andre permalink
    10 de agosto de 2010 13:19

    Entendo que, por precauçao, nao havendo materialidade da ofensa, o cuidado na acusaçao deve ser potencializado. Impossível nao traçar um paralelo entre o caso dos irmaos Naves e o que envolve o goleiro Bruno. Nao creio que a resposta para aquela tragédia, ocorrida na alvorada da Ditadura de Vargas, tenha influenciado tais procedimentos, afinal, anteriormente, outros erros foram cometidos, inclusive, com a sançao de pena de morte. Os grandes fatores de risco, estao na idoneidade de quem conduz as investigaçoes e de quem, mormente, julga, no apelo popular e midiático (um flagelo nas sociedades modernas, cuja interferencia, é partidarizada) e,por fim, na manipulaçao . Assisto a autoridade policial conceder entrevista e apresentar sua convicçao, induzindo a populaçao ao desejo de vingança. Tomo conhecimento da mídia, insistindo na versao de homicídio, transformando em espetáculo banal de licenciosidade, drogas, oportunismo, sexo e irresponsabilidade. Mais interessante nisso tudo, é tb traçar um paralelo entre o caso da advogada Mércia e Bruno/Eliza – Pq sem provas materiais concretas ( como o cadáver, com base no relato tao somente de um jovem conhecido entre seus familiares como viciado e mentiroso, Bruno está preso, e o advogado Mizael foi mantido liberto?

  16. Line permalink
    17 de agosto de 2010 5:39

    Moro ha 17 anos fora do Brasil e fico estarrecida com a maneira que a policia brasileira trabalha, e mais estarrecida ainda com essa midia podre que sutilmente como um elefante induz a populacao a condenar as pessoas sem que nada tenha de concreto…fala se tanto que o suposto crime foi cometido na casa do “bola”… como pode alguem ser retalhada e desossada e nao encontrar uma gota de sangue??? ou sera que o sangue dela era de agua?? pois a pontinha do dedo quando se corta faz uma sujeira terrivel!! no Pais que moro, quando acontece um homicidio a area e totalmente isolada pelo tempo que precisar, e nao fica essaa festa de entra e sai como foi no caso Bruno…oque me estarrece mais ainda e as pessoas sairem nas ruas chamando os supostos autores do crime de ASSASSINOS!!! sem entrar em detalhes da midia PODRE!!!…absurdo a chamada Justica tomar decisoes embassadas no clamor publico…falando um pouco desse delegado, que HORROR!! a impressao que da que ele esta sempre dopado!! como e horrivel ouvir ele falar…parece mais uma vedete do que um delegado…

  17. jales naves permalink
    22 de agosto de 2010 18:20

    todavidameu pai falava da injustiça que eles sofrram. eu acho que toda a familia naves ficou muito marcada porque afinal naves so existe uma familia.

    • jonatan permalink
      22 de abril de 2013 0:20

      tento imaginar como vcs se sentem,tendo que carregar essa dor que nem mesmo a indenizaçao por tais erros podem suprir.e assim com nos,terem que presenciarem que mesmo com este caso,ainda acontece no nosso pais estas arbitrariedade.boa noite

      • joao alberto permalink
        26 de abril de 2013 18:32

        oi tudo bem e vedade pois o rapaz que se encontra preso em araguari ele tamben e da familia naves pois o avo dele se chama joao guimaraes naves mas como faZER PARA OBITER ajusta e apoio das pessoas que estao neste movimentos dos irmao naves ,pois nao vamos deixar que araguari cometa mas uma injustiça com nossa familha pode me ligar ou me passe seu celular o meu e 34-9104-0032 e da tim

  18. Tatiana Braga permalink
    31 de agosto de 2010 15:38

    Engraçado eu encontrar isso aqui. Cheguei a pensar que era eu contra o mundo. Desde o começo dessa história do Bruno, eu sentia alguma ligação entre os dois casos. Primeiro porque não havia corpo, e mesmo assim o goleiro foi preso acusado de homicídio baseado nas palavras de um adolescente, cuja própria mãe diz que é dado a invenções.
    Teve uma vez que a televisão mostrou o Bruno conversando, comentando sobre o caso com algumas pessoas. Lembro dos repórteres dizendo que ele estava debochando da polícia. Ora, se tudo o que ele falou foi o que foi mostrado, eu não vi deboche nenhum. Ele não disse nada ali além do óbvio. Eu vi, isso sim, a força que a imprensa está fazendo para jogar a opinião pública contra o goleiro.
    Não acho que ele é santo, acredito mesmo que ele a tenha agredido, pode até ser verdade o caso do sequestro e a tentativa de forçar o aborto, mas acredito mais ainda nos princípiios do Direito. Bruno tem direito a uma ampla defesa e ao contraditório. Além disso, temos que a dúvida favorece o réu (in dubio pro reo). Acho mesmo que o Bruno vai acabar sendo absolvido, ficando muito mais rico com as indenizações que vai ganhar por danos morais, dando uma banana bem grande para a Globo, que começou com esse circo (eu concordo com a banana para a Globo) e ainda, se for realmente culpado, rido muito da polícia.

  19. marlene oliveira permalink
    18 de setembro de 2010 16:12

    SERÁ QUE UM DIA, NOS VAMOS CONHECER UMA JUSTIÇA, JUSTA, TENHO UM PARENTE QUE ESTA PRESO POR ERRO DA JUSTIÇA,OS CULPADOS ESTÃO POR AI, LIVRE E MEU PARENTE ESTA SENDO LEVADO A JULGAMENTO, SE FOR CONDENADO, VAI PEGAR UNS 15 ANOS, SO NOS RESTA REZAR, VIVEMOS NUM PAIS DE INPUNIDADE, COM QUEM PODEMOS CONTAR, PARA SE FAZER JUSTIÇA.

  20. sandra permalink
    21 de setembro de 2010 20:35

    Os “irmãos naves” é um clássico dos processos judiciais brasileiros, mas não vejo o porque as pessoas tenham que remexer no fundo do baú para fazerem certas comparações.
    Não tem nada a ver esse caso com o que se ve na atualidade, pois a instrução criminal evoluiu muito minha gente, basta ver os recursos periciais existentes para se desvendar crimes ! Por favor deixem os irmãos naves lá no museu e não queiram denunciar que no brasil da atualidade estejam sendo condenados homicidas sem a existencia do
    corpo da vitima! Bom senso é bom né?

    • Fred permalink
      29 de dezembro de 2011 19:36

      Sandra, curiosamente, estou lendo “Operação Hurricane: Um Juiz no Olho do Furacão” e o judiciário brasileiro tem umas coisas escabrosas, tal qual condenar um assassino cujo cadáver está vivo.

  21. Barbara Werneck permalink
    29 de setembro de 2010 10:21

    Em momento nenhum me senti como defensora de um assassino, no caso em que envolve o goleiro Bruno, injustamente titulado pela mídia como “CASO BRUNO”. Desde o momento em que tive conhecimento do caso disse que o Bruno era inocente até que se provase ao contrário.E isso não sou eu quem digo é a lei no art. 5 da CRBF, que diz que todos são inocentes até que se prove o contrário. …
    Não há que se julgar com base no que alguém sabe, tem que se ter prova. A justiça tem que por um fim a esses ESPETÁCULOS MIDIÁTICOS. Não venham me dizer que o juri vota de acordo com a sua consciência e mediante as provas apresentadas.Primeiro porque eles não são técnicos, segundo porque já estão contaminados com uma opinião préconcebida através dos meios de comunicação que não respeitam as leis. A mídia não tem o direito de julgar as pessoas, tomando muitas vezes o lugar do judiciáro. Não é possível que neste país não tenha um juiz capaz de calar a boca da mídia,. Fico pensando se é medo, interesse ou incapacidade mesmo. As autoridades envolvidas no caso do desaparecimento da Eliza Samudio, sugiro que enviem um “curriculum” para REDE GLOBO, tenho certeza que terão êxito na profissão de atores, já que como autoridades nos envergonham pela falta de ética e necessidade de aparecer. Não sou a favor da impunidade, sou contra injustiça.Prefiro um bandido solto do que um inocente preso. Com base no principio do “in dubio pro reu”, não se pode considerar o goleiro Buno de algum delito enquanto restar dúvida sobre a sua culpa
    Eu só queria saber por que o goleiro Bruno ainda esta preso? Hoje é o goleiro Bruno que esta tendo o seu direito violado.Amanhã poderá ser qualquer um de nós.

    • MARILZA GUIMARAES DINIZ permalink
      15 de outubro de 2010 22:50

      BARBARA,
      É SEMPRE MUITO BOM TER PESSOAS DE VISÃO E SERIEDADE COMENTANDO UM ASSUNTO TÃO GROTESCO E TÃO TRISTE COMO ESTE DO “CASO BRUNO”.
      TEM TODA RAZÃO; AMANHÃ PODERÁ SER QUALQUER UM DE NÓS!
      É NECESSÁRIO SAIR DO NOSSO “MUNDINHO REDE GLOBO” E ABRIR NOSSAS MENTES E CORAÇÕES.NO MÍNIMO SEREMOS MENOS MESQUINHOS.
      NOSSA CONSTITUIÇAO É PERFEITA, NOSSAS LEIS TAMBÉM. SÓ QUE NÃO FUNCIONAM, E NÃO FUNCIONAM MUITAS VEZES POR SERMOS CONDUZIDOS POR UMA MÍDIA PRECONCEITUOSA E CÍNICA, UMA MÍDIA QUE NOS TRATA COMO IDIOTAS, UMA MÍDIA QUE “LITERALMENTE” TRABALHA COMO LHE CONVÉM.
      É UMA MÍDIA DITADORA. ALÍAS O QUE SE PODE ESPERAR DE UMA MÍDIA QUE INDUZ O CIDADÃO ATÉ EM QUEM VOTAR?
      FICO PASMA QDO VEJO OS “SENHORES GLOBAIS” QUEIMANDO A CANDIDATA DILMA NA FOGUEIRA E ELEVANDO A MORAL DO SEU ADVERSÁRIO SERRA. QUE LOUCURA E HIPOCRISIA É ESTA? A MÍDIA TEM DE SER 100% IMPARCIAL E NÃO EVIDENCIAR MAIS, OU MENOS, UM CANDIDATO. O PAPEL DELA É INFORMAR, NÃO MANIPULAR.
      VALEU MUITO SEU COMENTÁRIO.BOA NOITE A TODOS.

  22. Cleusa permalink
    7 de outubro de 2010 22:22

    Eu concordo com várias coisas que foram ditas sobre o caso do goleiro Bruno. A ausência do corpo e de evidências físicas da morte me incomodam. A história de que ela foi morta e esquartejada no sítio me parece puro delírio, visto não terem achado qualquer vestígio. E até os cães foram periciados. Fora o pressentimento de todos que ele , de fato, fez alguma coisa com a moça, não há prova material. E os depoimentos não são confiáveis nunca, e em particular neste caso. O caso da Mércia, de fato tem muitas provas, tem o corpo, tem uma boa testemunha,tem o GPS, o material colhido no sapato do Misael q é compatível com o tipo de terreno onde foi achado o corpo. Enfim,mas qdo alguém fala que ‘ não tem juiz prá calar a mídia’? Aí falou boboagem e de um tipo muito perigosa. Se tivesse uma imprensa que cumprisse seu papel e não uma ditadura, não teríamos que conviver com as barbaridades como dos irmãos Naves. O imprensa só repercurte as notícias. Com uma certa dramaticidade, é verdade, mas só faz a cobertura.
    O grande assombro foi o comportamento da polícia mineira para conduzir a comunicação com a população. Um caso envolvendo o rapaz que era o ídolo da maior torcida , do esporte preferido no país?
    Era nitroglicerina pura prá imprensa e a falta de gerenciamento adequado fez tudo virar um carnaval.
    Nunca vi uma entrevista coletiva bem conduzida. Aquele delegado não servia nem prá falar em reunião de condomínio.
    Tiraram as delegadas pq elas apareciam mais que ele. Uma patética fogueira das vaidades e ninguém via isso. Não li uma linha criticando a atuação das autoridades.
    Falta compostura, responsabilidade profissional. Quer aparecer na mídia? Se habilita para uma vaga no BBB.
    O trabalho de investigação não foi levado a sério, o advogado é um boçal, um circo que está fazendo muita gente sofrer.
    Eu creio, de verdade, que o Bruno vai ser absolvido. Há falhas gritantes na condução do processo. Só uma coisa me preocupa: o advogado dele é muito ruim.

  23. alex permalink
    12 de outubro de 2010 18:42

    Li muitos comentarios ai, concordo com a maioria, fui preso inocente, eu e meu irmao, por um testemunho de uma mulher que é traficante, sem provas materias e o maior absurdo disso tudo , foi a promotora do caso simular um atentado para incriminar agente ainda mais, foi comprovado pelo um inquerito da policia civil que a promotora simulou o atentado, quando aconteceu issu comigu e meu irmao, comecei a pesquisar na internet e encontrei esse caso aqui na net, nao pense que esse fato é isolado nao minha gente, tem muita gente presa nesse pais inocente, PENSA COMIGO,ESSES MESMOS PROMOTORES E JUIZES,POLICIAIS SAEM DE NOSSA SOCIEDADE PODRE, ENTAO É IMPOSSIVEL TER UMA JUSTIÇA JUSTA.

  24. Thiago Barros Inácio permalink
    17 de dezembro de 2010 22:29

    Sou estudante de Direito e a área penal sempre me fascinou. Tenho orgulho de operadores do Direito como o dr. João Alamy Filho, pois homens de honra como ele devem ser vangloriados. Ao tenente que tenho repugnação, cujo qual nem citarei o nome, espero que sofra em seu túmulo e sua família tenha vergonha do mesmo. Ao promotorzinho, são homens como este q invergonham nossa classe. A família Naves, tenho parentes com o mesmo sobre nome, me orgulho por isso e sei que vocês também. Ao Benedito, aquele ladrão, gostaria que sofresse mais que Joaquim e Sebastião. Finalmente aos irmãos Naves, parabéns por resistirem, me espelho em homens como vocês e espero que meus filhos sejam iguais a vocês. Homens de caráter, trabalhadores, de fibra e exemplares.

  25. suely permalink
    14 de fevereiro de 2011 15:34

    que horror! que sofrimento! infelismente ainda hoje acontece esse tipo de injustiça.

  26. NETO permalink
    3 de março de 2011 16:22

    É MUITO TRISTE E DOLOROSO SABERMOS QUE O QUE ACONTECEU COM OS IRMÃOS NAVES, ACONTECEM TODOS OS DIAS EM ALGUM LUGAR DESTE MUNDO POR ISSO TENHO A GRANDE CERTEZA DE QUE A JUSTIÇA COMEÇA EM DEUS E TERMINA NOS HOMENS QUE SEM ÉTICA, SEM AMOR AO PRÓXIMO COMETEM ABSURDOS QUE FÉRE A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA; A LEI É BEM CLARA E DIZ QUE O RÉU SÓ SERA CONSIDERADO CULPADA DEPOIS DA SENTENÇA TRANSITADA EM JULGADO PRECISAMOS DE UMA REFORMA NO JUDICIÁRIO BRASILEIRO URGENTE.
    APROVEITO E FAÇO UM APELO AOS FUTUROS APLICADORES DO DIREITO QUE SE ESFORCEM PARA FAZEREM UM BOM CURSO E APLICAR A LEI DA FORMA MAIS CORRETA PÓSSIVEL EVITANDO ASSIM ERROS GROSSEIROS E IRREPÁRAVEIS.

  27. Marco Antonio permalink
    8 de março de 2011 8:50

    Uma investigação mal feita ou forjada, pode levar a injustiças degradantes como essa.

  28. 6 de abril de 2011 15:53

    NUM,PAIS DESTES QUE ESSE FATO ACONTECEU EM 1937 AGORA ESTAMOS 2011,MAIS AS LEIS ENVES DE MELHORAR SO PIORO SO ESTI POLICIAS CORRUPETOS E QUANDO NÃO USAN A ARMA DA CORPORAÇÃO PARA ASSALTAR E OS ASSALTANTES MESMO,SEGA COM 50,00 OS CANA DEIXA IR OU MATA O CARA O GOVERNO GOVERNA O MUNDO E E OLTRO LADÃO INGRAVATADO QUE ROUBA MILHOES E ESTA EM LIBERDADE NEM SEI PARA QUE ESISTE POLICIA SO PARA ATRAPALHAR O MUNDO;MEU VISINHO E POLICIAL FOI PRESO ROUBANDO E NA FUGA QUASE MATOU UMA VELHINHA NÃO FICOL UM MES PRESO JA TA NA QUADRILHA MAIS PERIGOSA DO MUNDO POLICIA MILITAR OLTRO A SENHORA VIO O POLICIAIS TIRANDO O MOLEQUE DA VIATURA E FUSILANO NO SIMITERIO DENUNCIOL EMEDIATAMENTE E OPS POLICIAS TAO RESPONDENDO EM LIBERDADE RESSUMO DA ISTORIA TRAGICA SO ESISTE ATE HOJE CADEIA PARA TRABALHADORES, TODOS QUE ESTAO LA A MAIORIA FOI FORJADO POR CRIMES QUE OLTRO FES E PAGO A POLICIA PARA forja num laranja tou ate com medo desta vida de crimes fardados

  29. 14 de abril de 2011 18:24

    Confesso que chorei quando soube desta história pela primeira vez, no Módulo de Direito Criminal…
    Não só pelo Sebastião e o seu irmão, mas pela mãe deles. Uma injustiça irreparável, que se repete todos os dias nas prisões…

    Fizemos um vídeo no seminário sobre os Imãos, segue o endereço se alguém quiser assistir.

    • Odete permalink
      16 de novembro de 2013 6:06

      Tenho amigo que pertence a família NAVES. Gostaria muito de ver o vídeo

  30. Almir Barreto permalink
    25 de maio de 2011 14:55

    Diante desse grave erro judiciario, agora eu acredito que isso que ocorreu com os irmaos naves, pode sim ocorrer com qualqeur um, pois somos e estamos expostos a autoridades policiais que somentem querem aparecer nos holofotes e fazerem seus nomes sem pensar na pessoa que esta sendo execrada e praticamente morta vivo, se nao bastasse o sofrimento de seus familiares, pois sabem que seu ente querido ta sendo destruido pela policia e pela justiça e ninguem tem esse direito. Que dor esses irmaos naves passaram. Se fosse aplicado no brasil o direito e presunção de inocencia nao teria a justiça cometido esse grave erro.
    Agora pergunto, a todos que gostam de acusar só pela midia sem conhecer a verdade, simplesmetne pelo fato de um delegado e promotor gostar de falar na imprensa. Sera que o Bruno realmetne cometeu o crime que esta sendo acusado??? E esta preso pagando antecipadamente. Sera que aquele advogado de são paulo, Mizael, tambem nao esta sendo vitima de irresponsaveis que ficam todo dia na midia tentando condenar a qualqeur custo??? Espero que tenhamos justiça, pois é muito triste saber que pessoas estão sendo linchadas sem nenhuma prova concreta. Lamentavel, e o pior, isso pode ocorrer com qualqeur um de nós, pois temos tanto na policia tanto no judiciario, pessoas que gostam de midia e se aparecer para se crescer.

  31. RRAF/Uberaba/MG permalink
    29 de maio de 2011 15:45

    A justiça hoje é mais cuidadosa. Ela prefere deixar um bandido solto do que cometer uma injustiça como aconteceu com os irmãos naves.

    • 29 de maio de 2011 18:25

      Meu caro, se a justiça fosse cuidadosa não deixaria atrás das grades os médicos inocentes do Pará…

  32. WILSON GLORIA DINIZ permalink
    23 de junho de 2011 21:46

    NÃO ENTENDI PORQUE O LATROCÍNIO, QUE TEM UMA ALTÍSSIMA PENA, FOI RETIRADO DA COMPETÊNCIA DO TRIBUNAL DO JURI. AINDA MAIS DEPOIS DESSE CRASSO EXEMPLO DE ERRO JUDICIÁRIO, SENDO QUE NÃO SE PODE ESQUECER QUE A CONDENAÇÃO DOS IRMÃOS NAVES TEVE POR EXCLUSIVA BASE A SENTENÇA DE PRONÚNCIA. E, OUTRA, DE AGORA EM DIANTE O ESTADO PASSARÁ A SER SÓCIO DOS CRIMINOSOS, A EXEMPLO DOS E.U.A., COM POSSIBILIDADE DE FIANÇA A QUASE TODO CRIME, FIXANDO-SE ATÉ 200.OOO (DUZENTOS MIL) SALÁRIOS MÍNIMOS (=R$109.000.000 EM 2011) – LEI 12.403/2011, QUE ENTRARÁ EM VIGENCIA A PARTIR DE JULHO DE 2011. HAJA CORRUPÇÃO E INJUSTIÇA JUDICIAL!!!! ALERTEM TODOS A RESPEITO!!!!

  33. 29 de agosto de 2011 17:36

    Que esse delegado ainda arda no mármore do inferno!!!!!!!!!!

  34. 4 de setembro de 2011 22:45

    espero que a fumaça do bom direito entre pelos tribunais de juri toda ves que um inocente estiver sendo julgado e sufoque aqueles promotores que são pagos com nosso dinheiro para defender a justiça e no entanto defenden seus interesses, são tomado pelo estrelismo e esquecem para qual foram contratado para fazer seus trabalhos. semtence umilhado quando a justiça prevalece e um acusado é absolvido, recorrem da sentença mesmo sabendo que as provas são a a favor do “réu”,usam toda a maquina da justiça,ofendem os direito contitucional de todos, sei de promotor que ficou tão irado com a absolvisão de duas rés, que teve um ataque fuminante do CORAÇÃO e foi para o inf….
    “acâdemico de direito idiguinado’.

    • 4 de setembro de 2011 22:52

      se alguem me responder porque a soberania de uma sentença em um tribunal de juri , em um juri de mais de 30 dias que absolve um “réu” é recorrido pela promatoria e depois em tres dias a ré, e condenada.

  35. Lino David permalink
    5 de dezembro de 2011 10:24

    Um país onde a educação é relegada a último plano, só pode dar nisso. Onde a corrupção campeia em todos os cantos. Sentenças aindas são vendidas. “Os métodos diferenciados de invesigação” persistem até hoje em cidades de pequeno e médio porte; A “compra de alteração” de dados em inquéritos; Confissões sob torturas e truculência… realmente um belo alicerce para injustiças que ainda virão. Uma pena!
    Quando vamos mudar essa triste realidade?
    INVESTIGAÇÕES PROFISSIONAIS E CIENTÍFICAS JÁ!

  36. 20 de março de 2012 0:07

    Justiça, desconheço essa palavra,aqui no Brasil nunca teve e nunca terá. Olhe essa historia dos irmaos naves,que absurdo,infelizmente temos irmaos naves ainda hoje passando por isso,mas é só os pobres ,ricos roubam ,matam eo dinheiro compram tudo se brincar éo morto é que é torturado e preso. quando isso vai mudar meu Deus? Mas uma coisa é certa a justiça divina não tarda mais não falha.Essa sim é verdadeira pra pobres e ricos não tem distinção.

  37. Vcant permalink
    25 de março de 2012 17:30

    Vcant
    A moeda tem dois lados. Juizes, promotores também parecem corporativos quando há interesses em jogo. Num julgamento sobre o assasinato ( “Caso Kelly Rayanne” ) em Araguari, dispensou-se testemunhas, constrangiu-se testemunhas perante o júri e até mesmo falta de postura da juiza ao fazer elogios ao advogado de defesa. Postou-se mais de dez policiais, instalou-se o medo, intimidou-se de forma sutil os presentes.Colocava-se palavras na boca do réu quando entrava em contradição e tantos absurdos. ASssim, ( na dúvida, pró-réu ), o resultado não seria outro, a absolvição. A população presente assistiu a tudo sem poder se manifestar, nem mesmo ouvir testemunhas arroladas, as quais foram dispensadas antes de entrarem na sala do júri. O Caso dos Irmãos Naves também não pode servir de parâmetros para todo julgamento. Cada caso é um caso.

  38. 5 de junho de 2012 19:33

    E pensar que nosso código penal ainda é o mesmo desta época tão obscura, que em algum lugar de nosso País alguém pode esta passando por esta situação de tortura… Só DEUS pra nos guiar!!!

    • tonissousa permalink
      19 de novembro de 2012 8:38

      Caso talvez possa acontecer com bruno,macarrão e bola.

  39. alda cruz permalink
    15 de junho de 2012 14:30

    justiça perfeita so a de Deus, prepare-se para o juizo final todos so homens e mulheres q ja passaram por esta terra

  40. Dayane Franco permalink
    18 de junho de 2012 11:50

    NADA,absolutamente nada mudou!
    Oque as autoridades da atualiadade estão querendo fazer ao decretar prisão preventiva com fundamento no clamor social?Isso também não seria uma “ditadura”?Ditadura pra mim é ausencia de LEI..existe um sistema,uma forma de se fazer Direito e de se decretar uma prisão.NADA disso teria ocorrido se as autoridades tivesse seguido as fases de investigação.Minha monografia é sobre o clamor social e concerteza essa história dos irmãos Naves estará incluida nela e no decorrer da minha carreira jurídica.Se brasileiro tem a memória curta cabe a nos estudantes de Direitos e bachareis “refrescar” a memória dos esquecidos para que tal drama não ocorra novamente!

  41. Alexandre de souza Nata- RN permalink
    6 de setembro de 2012 0:07

    Quero deixar para família naves a minha admiração pela honestidade, humildade e coragem.Vocês nunca serão esquecidos por nós estudantes do curso de direito. Não vamos desistir de fazer justiça pois somos brasileiros. Brasileiro não desiste. Se observarmos o passado muita coisa mudou. Hoje nós podemos votar, fazer greve, protestar, tirar um presidente do poder e poderemos muito mais. Deus abençoe a todos.

  42. VAVDECI DE PAULA permalink
    13 de outubro de 2012 13:14

    INFELISMENTE .FALA O QUE DESSE ERRO GROCERO POR PARTE DA POLICIA,CASOS COMO ESSE AINDA ACONTECE NO NOSSO PAIS

  43. 1 de dezembro de 2012 12:16

    O CASO DO BRUNO, É IGUALMENTE AO DOS IRMÃO NAVES, PORQUE ATE MOMENTO NÃO EXISTE PROVAS ROBUSTA , E CONTUDENTE SEQUER APARECEU UM FIO DE CABELO DA CRIATURA. PODE SE MAIS UM CASO EM MINAS GERAIS , COM UM ERRO INCONSTESTAVEL, O SAMUDIO PODE APARECER A QUALQUER MOMENTO ALGUEM EM SÃO CONCIENCIA TEM CERTEZA DA MORTE DELA. SEM CORPO NÃO HA CRIME POIS NÃO TEMOS A MATERALIDADE NÃO EXISTE CONCENAÇÃO SEM A DEMONSTRAÇÃO DA PROVA CABAL. EM DUBIO!POR RÉU.

    DR. WILSON

  44. 4 de dezembro de 2012 11:09

    meu nome é Fernando Naves Barcelos,filho de Waldina Naves Barcelos e Luiz Araújo Barcelos , neto materno de Delvira Naves Dias nascida em 20 -11-1912 , filha de Etelvina Naves9FALECIDA EM ARAGUARI EM JUNHO DE 1943) irma de dona Ana Rosa Naves , hoje minha avó teria completado 100 anos e ela melhor do que ninguem , contava como o delegado tambem mandou amarrar dona Ana Rosa, em um tronco e colocar lenha em volta para adear fogo, espero sincerramente que toda a geraçao até a 8 geraçao desse Algoz , sofra lei da Babilonia , olho por olho dente por dente e carreguem a vergonha.

  45. elda gouveia lima permalink
    23 de fevereiro de 2013 11:29

    Este é o pais do futibol? não não ,da vergonhA!!!!!!!
    sorte de quem conseguil se estabelecer fora DESTE …pais.sorte.

  46. 2 de março de 2013 17:50

    estamos com falta de juizes capazes ,que obtenham o respaldo de bons defensores ,alguns advogados que desonram o que e de supra importancia,dando margem a provas incabivéis ,gerando duvidas irreparaveis caso dos irmãos naves será que ninguem entendeu ou aprendeu . a lei e para todos de igual a igual ou será só para alguns tem ótimos advogados de uma postura irreparavel ,fazendo além do seu dever a esses meu mais sinceros apresso.

  47. MAURICIO SANTOS AQUINO permalink
    6 de março de 2013 18:47

    HOJE EU ASSISTIR UM VIDEO DOS IRMÃOS NAVES E ACHEI UM ABSURDO O QUE FIZERAM COM ELES FOI TERRÍVEL

  48. Eugenia permalink
    18 de abril de 2013 20:28

    Hoje em dia virou o contrário, os criminosos ficam soltos mesmo quando condenados..

  49. 21 de abril de 2013 7:52

    gente acho que se repete a historia dos irmão Naves e também com a família pois este caso tem a ver com um descendente da família Naves.
    Editores araguari se repete a injustiça com o delegado ,promotora e também com a juizá de Araguari interessados pela a nova historia da família naves se repete em Araguari 34-9104-0032

    • flemos permalink
      30 de julho de 2013 1:12

      Hoje, 76 anos após, no Paraná, 4 jovens, segundo a midia, sofreram torturas para confessarem o estrupo de uma adolescente.
      Enquanto confissões forem as únicas provas de crimes, a obtenção sob tortura continuará se perpetuando.

  50. Gabriela Meneghel Veloso permalink
    11 de setembro de 2013 14:04

    Sandra, concordo plenamente com tudo o que você disse a respeito. Naquela época era muito mais difícil de se obter provas. Atualmente existem inúmeros recursos para que seja condenada ou inocentada uma pessoa. Amei seu comentário!

  51. Donizete Mateus permalink
    16 de novembro de 2013 15:57

    Ainda nos dias de hoje é bem provável que acontece situações semelhante a dos irmãos Naves.Assim sendo não podemos aceitar este comportamento por parte do poder publico. Os recursos humanos intensifique a fiscalização nos sistema carcerário desse pais, enquanto ao MP a qual a sua função é condenar se aprofundar nas provas concretas para nunca mais acontecer com os irmãos Naves.

  52. DIVINA DE LOURDES NAVES permalink
    11 de março de 2014 22:10

    MUITO TRISTE ,ELES PODE SER MEUS PARENTES, PORQUE EU PROCURO FAMILIARES DE JOSÉ SEBASTIÃO NAVES .ERA MEU PAI ,CASADO COM DIVINA MARIA NAVES

  53. 16 de julho de 2014 20:06

    que que o tal primo ficou fazendo da vida durante esses quinze anos em que ficou sumido?

  54. VIVIANE APARECIDA FERREIRA permalink
    6 de agosto de 2014 18:28

    que absurdo prender inocentes,ate torturar se tem milhoes de bandidos a solta?que pais e esse?que leis sao essas?
    que existem mas nao sao cumpridas.o artigo 5 da constuicao nossa carta magna diz ´ que tds sao iguais perante a LEI SERA?????? NAO CONCORDO O FATO E QUE NAO SAO TDS MAS ALGUMAS DESSAS PESSOAS Q TEM O PODER AINDA COMETEM ERRO JUDICIARIO,ATE OS DIAS ATUAIS,VERGONHA,SOU UMA MERA ESTUDANTE DE DIREITO E PELO Q SEI NINGUEM PODERA SER LEVADO A PRISAO,SER CONDENADO ATE Q SE PROVE O CONTRARIO.NINGUEM SERA PRESO SE NAO EM VIRTUDE DE LEI.A LEI TEM QUE SER IGUAL PRA TDS,NAO EXISTE DINHEIRO NO MUNDO QUE APAGUE DOR A VERGONHA EHUMILHACCAO DE UM CONSTRANGIMENTO ILEGAL,UMA PESSOA SER PRESA,PRIVADAD DE SEU BEM MAIOR QUE E A LIBERDADE O DIREITO DE IR E VIR,SEM SER CULPADO,O DINHEIRO AMENIZA MAS NAO APAGA,A SOCIEDADE CONDENA,VERGONHA ISTO TEM Q ACABAR.TANTO QUE O DANO MORAL NAO E FEITO PRA ENRIQUECER NING SO PRA AMENIZAR A VERGONHA.

Trackbacks

  1. MÉDICO CAPIXABA, ALÉM DE INOCENTE, AGORA ESTÁ EM CELA COMUM « O PATIM
  2. Homicídio: crime material «

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: