Skip to content

DIÓGENES, PAI DO CINISMO, INSPIRA O SENADO BRASILEIRO

21 de maio de 2010

Olho para o Senado e vejo-o como o Conselho da República. A própria Constituição Federal dá-me essa visão ao estabelecer idade mínima para que o candidato se eleja para a Casa. Ou seja, ali devem estar cidadãos de reputação, amadurecidos, que pensam na Nação como um todo.
Tanto é que, diferentemente, da Câmara dos Deputados, cuja composição é proporcional ao número de eleitores que representam por unidades da Federação, o Senado tem uma composição igualitária: o pequeno Estado de Roraima, com seus 400 habitantes, a menor população do Brasil, tem três senadores, assim como os populosos São Paulo (40 milhões de habitantes) ou Minas Gerais (20 milhões).
Pois esses nobres conselheiros acabam de assumir a postura de Brutus, o amigo que traiu o imperador Júlio Cezar. Mas, diferentemente, do que aconteceu no Império Romano, os nossos “brutus” acabam de apunhalar a todo o povo. E com absurdo cinismo, com toda a conotação pejorativa que o termo assumiu em nossos dias. Têm coragem de, falando a toda a Nação, diante das câmaras de televisão, defender como a mesma coisa os termos “tenham sido condenados” e “forem condenados”. É muito desprezo pela inteligência nacional!
A lei que exige ficha limpa de todos os candidatos a cargos políticos, nascida de iniciativa popular (acho que a única do Brasil, atualmente) foi, desavergonhadamente, desfigurada pelos conselheiros da Nação, numa clara manobra para proteger os pilantras que lá estão.
Cinismo foi uma corrente filosófica criada na Grécia antiga, porque a nova já não pensa, mas desaba na crise econômica. Uma corrente criada por Antístenes, seguidor de Sócrates, aproximadamente no ano 400 a.C., mas seu nome de maior destaque foi Diógenes de Sínope. Estes filósofos menosprezavam os pactos sociais, defendiam o desprendimento dos bens materiais e a existência nômade que levavam.
Ana Lúcia Santana, no sítio da internet http://www.infoescola.com.br, comenta que “hoje, através de desvios de significado, este termo (cinismo) se refere àqueles desprovidos de vergonha e de qualquer sentimento de generosidade em relação à dor do outro. Mas não por acaso, pois os cínicos desejavam se desprender de todo tipo de preocupação, inclusive com o sofrimento alheio”.
Acrescenta a autora que Sócrates já expressava seu repúdio pelo excesso de bens materiais dos quais a Humanidade dependia para sobreviver. Ele tinha como alvo a verdadeira felicidade, para a qual nada disso era necessário, pois ela estava conectada aos estados da alma, não a objetos externos (ah, se a Grécia atual escutasse o velho filósofo!). Posteriormente, os cínicos passaram a pregar justamente esta forma de viver, na prática diária. O nome de Diógenes, seu principal defensor, tornou-se praticamente sinônimo desta Escola.
Pois bem. Curiosamente, foi o senador Francisco Dornelles (RJ), do mesmo Partido Progressista do deputado paulista Paulo Maluf, que não tem ficha limpa, quem fez uma emenda ao projeto original e ainda veio a público dizer que não quis defender o patrono de seu partido quando substituiu o termo “tenham sido condenados” por “forem condenados” no quadro das restrições à elegibilidade de candidatos ao exercício de cargo público-político.
Deu no jornal Correio Braziliense: “O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski, afirmou ontem que a Corte vai se pronunciar sobre a aplicabilidade da lei antes do fim do prazo para registro de candidaturas, que termina em 5 de julho. Lewandowski interpreta que, caso seja mantido o texto aprovado pelo Senado, só estarão inelegíveis políticos que forem condenados por um colegiado após a lei ser sancionada”.
E o pior: a lei já seguiu para sanção presidencial. Que o Presidente Lula se digne a devolvê-la à Câmara, de onde ela partiu, para que seja restabelecida sua moralidade, oriunda do povo brasileiro.
Diógenes revirou no túmulo. Seu título de pai do cinismo está, seriamente, ameaçado por conselheiros da República do Brasil.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: